INÍCIO
O Supremo Conselho que não existiu Imprimir E-mail

No ano de 1803, foi publicado no Anuário do Supremo Conselho de Charleston, Estados Unidos, a informação com o nome do Supremo Conselho de Saint Domingue a ser criado nas Antilhas pelo conde de Grasse Tilly, um de seus delegados. Esse Supremo Conselho seria co-responsável pela implantação e divulgação do Rito Escocês Antigo e Aceito nas Américas. O conde era um militar agregado a serviço das colônias francesas e estava em viagem aos Estados Unidos. Em Charleston, tomou conhecimento da circular expedida em 4 de dezembro de 1802 pelo Supremo Conselho fundado em 31 de maio de 1801. Participou das reuniões presididas por Estevão Morin, de quem recebeu o grau de Soberano Inspetor Geral do Grau 33. A seguir, foi-lhe conferida uma patente para a criação de um Supremo Conselho em Saint Domingue, quando de seu regresso a essa ilha. O documento autoriza a criação de Supremo Conselho para jurisdicionar os graus 4 ao 33 da nova maçonaria, como nos Estados Unidos, sendo completado o total de 33 graus com os graus azuis das Lojas locais, considerados apenas como porta de entrada na maçonaria. Mas a organização e fundação do segundo Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito foi adiada, porque a permanência de Grasse Tilly na colônia francesa foi efêmera. A perda definitiva da colônia o obrigou a voltar para a França em 1804.

 

Santo Domingo, uma ilha comprida e montanhosa, era ocupada inicialmente pelos espanhóis, a leste, e pelos franceses, a oeste, onde a colônia era chamada de Saint Domingue. A revolução francesa temporariamente diminuíra o controle da França sobre sua colônia. O mesmo movimento intensificou esse enfraquecimento por efeito da mensagem divulgada pelos revolucionários que dizia que todas as pessoas eram iguais e tinham direito à liberdade. Em Saint Domingue, nessa época, havia de um lado, os escravos africanos das plantações de açúcar de propriedade da França e, de outro, os mulatos que não eram escravos e nem cidadãos. Após uma revolta de escravos, em 1794, Saint Domingue tornou-se o primeiro país do mundo a abolir a escravidão. Nesse mesmo ano, a França passou a dominar toda a ilha situada no mar do Caribe. Em 1801, o ex-escravo Toussaint Louverture tornou-se governador-geral, mas logo depois, foi deposto e morto pelos franceses. O líder Jean Jacques Dessalines reorganizou o exército e derrotou os franceses em 1803. No ano seguinte, foi declarada a independência (o segundo país a se tornar independente nas Américas) e Dessalines proclamou-se imperador do país que passou a se denominar Haiti.

Quando o exército local derrotou os franceses, o projeto de criação e funcionamento do segundo Supremo Conselho do novo rito lançado nos Estados Unidos foi transferido para outro país. O conde Grasse Tilly voltou para a França onde agilizou as providências para a organização e fundação do primeiro Supremo Conselho do Grau 33° do Rito Escocês Antigo e Aceito na Europa. O Supremo Conselho de Saint Domingue ficou apenas no papel. Nunca existiu na prática.